Blog
Blog de conteúdos e artigos para "pessoas" que desenvolvem "pessoas", dentro ou fora das organizações.

COMO POSSO CRIAR UMA VIDA DE SIGNIFICADO? Eis a pergunta a ser respondida!

Evolução Humana e expansão da consciência individual e coletiva

Artigo de Vânia Faria

Certo dia, conversando com um executivo durante uma sessão de coaching, ouvi dele uma pergunta difícil de responder, que era: – “Como posso criar uma vida de significado?”

Ao ouvir aquela pergunta, imediatamente tive o impulso de lhe responder com a mesma pergunta. E o fiz.

Ele também não soube responder de imediato. Então eu fiz um pacto com ele. Disse: – “Que tal você levar isso como lição de casa e me responder na próxima sessão?”.

Ele não gostou muito, pois estava querendo ajuda naquele momento para clarear seus pensamentos e ir para casa com a sua angústia diminuída.

A verdade é que tanto ele quanto eu, fomos para casa com uma lição de casa para fazer.

Ao ouvir aquela pergunta, minha mente processou centenas informações relacionadas à pergunta em questão e eu também não teria uma resposta para responder para ele num prazo tão curto de 10 minutos, pois já estávamos nos minutos finais da sessão de coaching. Responder algo tão profundo demandaria uma sessão inteira de coaching (ou neste caso, uma sessão inteira de pura filosofia de vida).

Bem, e já que a questão é filosófica, tentarei passar aqui um pouco do que eu entendo sobre “criar uma vida de significado”.

Existem diversas visões que tratam sobre este tema, e a que gosto mais é a do Richard Barrett, meu guru nos quesitos ampliação de consciência e valores humanos e é a que adotei para minha vida, inserindo um pouco do aprendizado do Pathwork de Eva Pierrakos, alguns ensinamentos espiritualistas não dogmáticos, e a bagagem em desenvolvimento humano adquirida ao longo da minha carreira.

Uma vida de significado (mais uma vez frisando que é a minha percepção/verdade) é seguir o caminho do coração. Fazer aquilo que o coração manda fazer.

Normalmente, quando somos mais jovens, buscamos realizar coisas que nos deem segurança física, emocional, fortalecimento da autoestima, alcançar sucesso na carreira, criar família, ter reconhecimento, criar relacionamentos em diversas escalas de satisfação, e por aí vai.

Geralmente depois que conseguimos nos sentir realizados nestas dimensões citadas (uns são mais exigentes, outros menos), passamos a questionar o porquê de tanto fazer, de tanto buscar, de tanto trabalhar, e normalmente isto coincide com o momento em que percebemos que a vida é curta, que não há tanto tempo mais a perder e de que é necessário deixar um legado.

E que legado é este? Não sei! Cada um tem o seu. Mas posso afirmar que o legado geralmente está associado a realizar algo que gere valor para a sociedade. Pode ser a sociedade local (vizinhança, bairro ou cidade), a sociedade de uma organização (empresa), a sociedade que abrange um público específico (crianças, jovens, idosos, excluídos, sem-teto, analfabetos, doentes, etc) ou a sociedade planetária (ecologia, valores humanos, espiritualidade, etc).

O importante é escolher aquilo que faça sentido para cada um. Tem gente que está fazendo trabalho humanístico ajudando crianças órfãs, tem gente que está fazendo trabalho humanístico cuidando da sustentabilidade na empresa em que trabalha (por exemplo – trabalhando a favor da elevação da consciência dos funcionários), tem gente que está fazendo trabalho humanístico criando uma família amorosa.

Então, agora que estou escrevendo sobre este tema percebo uma complexidade ainda maior para responder em apenas uma página…

Mas não posso me negar a criar esta “reflexão”, uma vez que encontrei o significado para a minha vida trabalhando a favor da expansão da consciência, seja em escala individual ou coletiva.

Então peço apenas uma coisa para você que está lendo este post. Se pretende criar uma vida de significado, pense sobre aquilo que lhe faz se sentir energizado, sendo remunerado ou não. Nem todo trabalho humanístico precisa ser filantrópico. Eu acredito que todas as pessoas que estão trabalhando em suas missões de vida, mantendo suas necessidades financeiras saudáveis e seu sistema ecológico equilibrado, já estão trafegando numa dimensão humanística e consequentemente criando uma vida de significado.

Mais cedo ou mais tarde todos nós seremos confrontados com esta pergunta. O significado chegará apenas para aqueles que conseguirem responder por si só a pergunta e então começarem a atuar no sentido de ter a certeza de que cada dia fez o melhor para si e para outros seres humanos. Que este trabalho, mesmo intangível, vale muito a pena, aumenta o nível de alegria interior e gera um tremendo sentimento de missão cumprida.

Sobre Vânia Faria –  é consultora em desenvolvimento Humano e Organizacional, com mais de 20 anos vivênciando  projetos nesta área. Possui larga experiência em projetos de Cultura Organizacional orientados para Valores, coaching de executivos e de carreira, focado em competências, missão, visão e valores pessoais. É também  diretora executiva da Evolução Humana Consultoria.

Evolução Humana trabalha a favor da “Expansão da Consciência”. Essa é nossa razão de existir!

Mais informações: http://www. evolucaohumana.com.br

QUEM SOMOS: “ A Evolução Humana é uma Consultoria em Desenvolvimento Humano e Organizacional com atuação em praticamente todos os serviços relacionados à DHO. “Criatividade e Inovação” é marca registrada do nosso trabalho. Paixão por gente, foco do cliente, agilidade, qualidade, visão sistêmica são valores vividos e aplicados nos projetos de nossos clientes. Em treinamentos oferecemos e customizamos mais de 100 temas in company, nos formatos de Academia de Liderança, cursos, workshops, oficinas de aprendizagem e palestras. Também com forte atuação em: cultura organizacional e transformação cultural por valores; coaching; talent management;  formação de estagiários e trainees;  consultoria em processos de desenvolvimento organizacional e remuneração. Peça-nos o nosso portfólio completo de serviços e de clientes através de nosso e-mail  falecom@evolucaohumana.com.br

10 comentários


  1. Simone S. Reis
    jun 22, 2012

    Este texto veio num momento oportuno. Tenho questionado constantemente sobre isso. Obrigada


  2. José Bernardino
    jun 23, 2012

    Olá Vânia,
    Gostei bastante do seu artigo. Penso que existem diferentes formas de criar e agregar valor para a sociedade. Entretanto, creio que a primeira e a pincipal forma é a prática na família, com “os próximos mais próximos”, pois a família é o núcleo, a base da sociedade.
    Somente sendo bons filhos e bons pais, sendo exemplos de conduta e respeito às leis do país , às regras de convivência em comunidade e antes de tudo de respeito à própria família, mostraremos coerência ente o discurso e a prática.
    Coerência é a questão. Temos papéis diferentes em cada ambiente, mas enquanto PESSOAS, não podemos ser como atores performando personagens diferentes com atitudes, discursos e posturas ditados por outros.
    Espero ter contribuído com a reflexão.
    Um abraço,
    José Bernardino
    Profissional de Suprimentos e Supply Chain


    • Vânia Faria
      jun 23, 2012

      Obrigada Bernardino por sua contribuição. Abraços,


  3. Savio
    jun 23, 2012

    Adorei. Parabéns pelo texto.
    Muito Bom.


  4. Nilton
    jun 24, 2012

    Gosto muito da ótica espiritual das questões humanas,pois apesar de sermos formados por corpo,alma e mente,acredito que a espiritualidade é o que direciona nossas vidas,pois no final de tudo,mesmo depois de nosso físico ter se relacionado e criado uma vida de resultados,mesmo depois de nossa mente ter se desenvolvido e aprendido a se relacionar com as pessoas,no final de tudo vem sempre aquela duvida,porque eu fui criado, por qual motivo eu existo e por fim que significado eu posso dar para minha vida,esta duvida que não quer calar e aflige a todos que realmente buscam uma vida plena, só pode ser respondida por quem nos criou,a criatura não sabe porque foi criada, você já perguntou para seus pais por que eles resolveram criar você,ou melhor sera que você já sabia o motivo que levou seus pais a concebe-lo,me parece obvio que não,pois somente o Criador sabe porque criou cada uma de suas obras,minha resposta para a pergunta inicial e a mais simples possível e não necessita de conhecimento de grandes autores (sem ofensas),CONHEÇA MELHOR O SEU CRIADOR E VOCÊ SABERÁ PORQUE ELE TE CRIOU E QUAL O OBJETIVO DELE PARA SUA VIDA.


  5. Gilson Tavares
    jun 25, 2012

    Realmente, a resposta não é tão fácil. Porém, é necessário, para que se tenha uma vida satisfatória. Como diz Victor Frank, no livro Em busca de sentido “ao homem não basta saber que exise, mas para que existe”.

    Mas, essa resposta só pode ser encontrada por cada um, quando tem a coragem de parar e se perguntar, o que realmente é mais importante para sua vida. Juntar dinheiro ? conhecer lugares ? colecionar algo ? contribuir para construir algo ? trabalho voluntário ? pesquisar algo ?

    E lembrar que a vida é um eterno caminhar, e construir.


  6. Samuel Caetano
    jun 25, 2012

    Lendo a sua matéria podemos analisar nossas vidas e reavaliar o que podemos melhorar!


  7. Valter Pedro
    jun 25, 2012

    Ao interrogar-me com a mesma questão, percebí que haviam outras perguntas que eu necessitava responder – e entender – primeiramente, e somente depois encontraria significado e compreenção sobre o valor que pretendia gerar nas ações e escolhas da vida.

    Recentemente encontrei-me a refletir sobre a frase “Se eu desejo, o Universo conspira”. Essa frase remeteu-me a duas perguntas: Quem sou “eu” e o que é o “universo”?

    Etimologicamente, “Universo” vem do latim, “unus” e “versus”. Juntas, significam o inverso da unidade. Remete-nos ao Todo.

    Mas quem sou “eu”? E ainda, o que podia entender como o “todo”?

    Entender quem sou e minha visão de universo é acessar (ter ciência de) meus valores pessoais, relações (sociais, pessoais, profissionais, religiosas, filosóficas etc) e expectativas.

    Socrátes, como se entendesse a pergunta/resposta que incomodaria toda a sociedade ocidental após seu tempo, resumiu, em uma única frase, todo o conteúdo de sua filosofia: “Conhece-te a ti mesmo.”

    Não é possível gerar valor, uma vida de significado, sem conhecer a sí próprio.

    Inerente a escolhas, religião ou filosofia, ações edificantes são atos de amor, doação.

    Não falo sobre (ou somente) trabalhos voluntários ou ações de ajuda e doações. Falo sobre nossas atividades do dia-a-dia.

    Nossas rotinas podem ser repletas de significados, apesar da nossa indiferença. Será que sou sensível aos significados que a vida tomam?

    Sempre influenciamos e geramos responsabilidades sobre as pessoas e situações à nossa volta. Temos consciência disso?

    Em diversas posições profissionais que ocupei, percebí que determinada função ou atividade perdia significado no momento em que deixava de amá-la. Mas toda atividade possuia significado e valor enquanto eu permanecia integrado a ela.
    Da mesma forma que a minha percepção sobre o valor das minhas funções afetavam diretamente as pessoas à minha volta. Nem sempre percebemos que somos espelho para outras pessoas.

    Gerar valor, na minha opinião, está na percepção e harmonia de quem somos com o que realizamos.


  8. Lilian
    jul 11, 2012

    Gostei muito do artigo.


  9. Vânia Faria
    jul 25, 2012

    Obrigada a todos pelos comentários

Deixe uma resposta