Onde está o Humano do Ser?

Onde está o Humano do Ser?

<< por Carlla Zanna, jun/2020 >>

“TODA VIDA IMPORTA”. Essa afirmação para mim é obvia, mas infelizmente parece que nem todas as pessoas pensam dessa forma.

Eu não aceito a normalização do racismo ou qualquer outro tipo de preconceito e intolerância porque não é normal! 

Aproveito para expressar aqui a minha profunda tristeza e solidariedade para com as inúmeras vítimas da intolerância, em especial da intolerância racial!

Ainda que eu ocupe um lugar de fala privilegiado em relação a esse tema (branca de ascendência ítalo-austríaca), sinto uma dor enorme ao ver tamanho desrespeito pelo HUMANO DO SER. Repudio qualquer atitude de discriminação e ódio, fico chocada por saber que ainda existem pessoas que excluem, desqualificam e inferiorizam outras pessoas. Muito pior quando esse comportamento é motivado apenas porque a cor da pele do outro é diferente. 

Fico me perguntando… o que será que essas pessoas pensam e sentem? Sobre a forma como elas se compartam, temos sido testemunhas oculares.

Sou a favor da diversidade, acredito que a pluralidade de ideias enriquece as relações, amplia a qualidade dos trabalhos e propicia uma vida mais saudável para todos. Conhecer e aproveitar o que há de melhor em diferentes culturas é uma oportunidade incrível para qualquer individuo que queira se desenvolver e evoluir. Contudo, quando acontecem casos emblemáticos como os que estamos vendo agora – George Floyd nos Estados Unidos e João Pedro no Brasil – percebo que existem pessoas com um nível de consciência tão baixo que não fazem nem ideia do que significa evolução e desenvolvimento, pluralidade ou diversidade, e menos ainda SER HUMANO, porque não foram capazes de se conectar com o próprio humano do ser. 

Essas pessoas não valorizam a vida, a natureza, o respeito, a liberdade e agem sem compaixão e amor fraternal. Fico assustada, pois ainda são muitas e elas não percebem que estamos todos conectados, que suas atitudes reverberam energia negativa no mundo, no Universo!

Acredito que cada ser humano é diferente e único para além do que é material e tangível (corpo físico), e a beleza da vida está em valorizar o que é diverso e aprender com isso, dessa forma cada ser humano será capaz de evoluir para cumprir sua missão neste planeta.

A partir da antroposofia aprendi que o SER HUMANO é uma unidade e uma totalidade, composta por quatro corpos, o FÍSICO, o VITAL, o ASTRAL e o EU SUPERIOR. Essa quadrimembração do ser humano revela nossa profunda ligação com a natureza. Nosso corpo físico representa o que temos em comum com o reino mineral e todo ambiente exterior (elemento TERRA). O corpo vital representa o que temos em comum com os animais e plantas, pois rege os processos de vida e crescimento (elemento AR). É no corpo astral ou alma que reside o nosso PENSAR, SENTIR e QUERER, guardando sensações, sentimentos, instintos, dualidades, impulsos, representação das nossas ideias, valores e crenças (elemento ÁGUA). E, finalmente o EU superior ou espírito que é a parte mais elevada do SER HUMANO, pois é o que nos distingue de qualquer outra criatura da natureza. É aqui que mora a autoconsciência, autorreflexão, capacidade de fazer escolhas, nossas aspirações profundas e nossa essência espiritual (elemento FOGO). 

Sendo assim, entendo que o HUMANO DO SER está na conexão do Homem com a sua Espiritualidade, com seu EU SUPERIOR. Quando está ligação acontece cada individuo se torna mais consciente e responsável por si e pelo coletivo. Nossa humanidade está em reconhecer de fato a nossa “UMA UNIDADE”, afinal estamos todos conectados através da essência, e ela não tem sexo, raça, religião ou nacionalidade.

A vida daqueles que amamos é valiosa, então se amarmos uns aos outros verdadeira e profundamente, sem distinção, todas as vidas serão igualmente valiosas.

“BLACK LIVES MATTER”

 

Artigo escrito Carlla Zanna
Profissional Certified Coach pela ICF

Diretora de Desenvolvimento da ICF Capítulo Regional SP
Trainer na NeuroLeadership Institute Brasil
Consultora e parceira da Evolução Humana.

 

Este artigo também foi publicado no Linkedin da Carlla, e pode ser acessado https://www.linkedin.com/in/carllazanna/

Adicionar comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *